quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

















Recordações

Passamos a vida correndo,
Em busca de explicações, sentidos.
Só quando paramos e vemos.
Que ele sempre esteve ali contigo.

Vivemos a infância imaginando como será o futuro.
Crescemos e acabamos descobrindo que o passado era tudo.

Corríamos descalços pelas ruas.
Olhos fixados nas pipas no céu.
Grandes aventuras,
Saudades não Leo.

A bola de capotão.
Rolando pelo terrão do campão.

Brigas de infância inocentes.
Que jamais será apagadas de mente.

Bagunças na sala de aula.
Brincadeiras que atravessava a madrugada.

Sorriso que achávamos ser para sempre.
Hoje só vemos nos arquivos da mente.

Porraaa!!!

Lembro-me de rimar para as meninas.
Crescemos e descobrimos as essências da vida.

Mundo ambicioso que anestesiou os pensamentos nossos.
Ficávamos montando bicicleta.
Hoje almejamos motos.
Nem que para isso tenha que traficar pedra.

As lagrimas que escorrem no meu rosto.
É de uma criança que viveu pouco.
Que viu amigo morto.
Descanse em paz Diogo.

O tempo passa rápido que nem percebemos.
Quando nos damos por fé já estamos nos fim dos tempos.

Um irmão disse:
-"Tudo é fase que passamos."
Gostaria de ser um vídeo game para estar me reiniciando,
E voltar a ser criança junto aos meus manos.



                                                      
                                                           Fredy letras

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

domingo, 7 de novembro de 2010
















A busca do saber ignorante

Ignorância humana.
Sem uma dimensão de vida.
Sonhos cultivados na lama.
Que brota em meio a carniça.

Não sei se sinto as ondas do mar.
Ou ondas magnéticas.
Tudo se resume em mensagem subliminar.
Demônios brigam por nossas almas atrás das celas.

Vinil.
Fita cacete.
O mundo evoluiu.
Assina seu talão de cheque.

Cd.
Dvd.
Blu ray.
Liga a lcd.
Aperte o play.

Veja são crianças fumando crack.
Mas para você que se foda.
Vai até o shopping passar o máster card.
Acabar com a depressão comprando roupa.

Pega sua célula e faça uma clonagem.
Pegue seu ifone e faça uma conexão bluetooth.
Vá jogar counter strike.
Sair matando but.
Enquanto outros matam de verdade.
Troca socos e chutes.
Pra tomar do boy na brutalidade.
Seu notebook.

Todo seu kbytes, megabytes.
Giga.
Não cabe a dor de quem cresceu sem o pai.
Cresceu sozinho na vida.

O mundo se tornou artificial.
Células sintéticas.
O poder digital.
A vida a base da energia elétrica.

A ponta do dedo o toque digital.
A ponta do dedo do poeta a poesia marginal.

Em um universo robotizado.
A morte humana é apenas matéria prima para adubo cremado.

Ponto de vista contemporâneo.
Visto através de um monitor.
Com quem está teclando?
Perdemos a essência do dialogo no computador.

Centenas de amigos.
No Msn, Orkut.
Diga-me qual está contigo?
Do Yahoo ou do facebook.

Dêem-me um chock.
E me explique o que é internete explore.
Informação para fortalecer os corre.
Ou manual para pedófelo.

Salas de bate papo.
Web cam, twitter.
O homem foi capaz de ir ao espaço.
Mas sua maior prova de amor foi criando Bin Laden, Hitler.

Não conseguimos ser capazes de amar.
Demonstrar um simples afeto.
Achamos mas fácil construir arma nuclear.
E estraçalhar feto.

Não somos capazes de sorrir para vida.
Somos os principais patrocinadores da indústria química.

Em seu laboratório a composição de destruição em massa.
No meu a escrita ideológica que salva.




                                                         Fredy letras





















"EM TEMPOS ONDE SE COMPRA CORAÇÕES ARTIFICIAIS, A ESSÊNCIA DA VIDA SENTIMENTAL DEIXA DE SER PURA, E A SUA BUSCA SE TORNA ESCAÇA."



















Fuga sem saída

Sinto-me oprimido.
Não sei se é amigo ou inimigo.

Sinto-me culpado.
Aprisionado.

Convivo em meio a multidão.
Mas eles não imaginam minha situação.

Não sei o que dói, mas.
Os hematomas no corpo.
Ou a dor psicológica.
Os socos.
Ou os gritos de que vai me pegar la fora.

Sofro sozinho.
Por que eu?
Já mais faria mal a um mosquito.

Será inveja, maldição.
O medo é constante minha perseguição.

Sinto-me cansado.
Já não tenho alegria.
Não cansam de encher o saco.
É dia e noite, noite e dia.

Brincadeiras, sediação.
Já não tem graça.
Procuro uma explicação.
Acaba virando motivo de mais palhaçada.

Tento reagir.
E acaba só me fazendo ferir.

Já não aguento, mas.
Aqui é alto.
Talvez lá embaixo.
Encontre a paz.

Abraço o vento e tento-o fruir.
Consigo sentir a fuga de tudo isso aqui.

A brisa bate forte em minha face.
Sinto-me aproximando da liberdade.

Talvez essa não tenha sido a melhor saída.
Mas só eu para saber o que sentia.

E ver que neste mundo as pessoas não lhe dão a mínima e...

Não foi possível para ele completar a rima.

Pois ele se jogou do 20° andar de um prédio.
Caiu de cabeça no chão espalhando pela calçada todo o seu cérebro.

Junto a ele já teve vários não suportou.
Colocou arma na cabeça e POUUU!
Suicidou-se.

Ae presta atenção

Quando pensas que com brincadeiras esta fazendo alguns sorrir.
Outros podem está sendo protagonista de bullying.

Você brinca e sorrir agora.
Mas a pessoa sangra, depois quem ama chora.





                                                                 Fredy letras




















"O TEMPO PODE SER LENTO PARA TRAZER E RAPIDO PARA LEVAR."














Cogitação dignificada

A merda que bate no ventilador.
É a brisa do meu calor.

Surjo na escuridão.
Caminho até o despenhadeiro.
Toda minha concepção.
Gira em torno dos meus pensamentos.

Diga-me!
O que é ser feliz.
Se contentar com o que não quis.
Ver tudo e todos a sua volta por um triz.

Taquem pedras!
Podem tacar!
Pois enquanto vocês ficam a tacar.
Vou criando meu caminho com elas a ladrilhar.

Se surpreenda.
Já não sou, mas seu verme.
Sai da sua tenda.
Me tornei FREDY.

Tudo ainda fede por aqui.
Mas a caminhada prossegue.
Chupa e engole essa daqui.
Não passei em seu teste.

Pois quem passas em teu teste, foi quem fez teus caprichos e vontades.
E nessa nem faço questão de estudar.
Late, late, late, late.
Enquanto dou meu rugido a te calar.

O cão pode latir.
Mas não pode morder.
O leão quem vem a rugir.
É que já venceu você.



                                              Fredy letras















"O SILÊNCIO PODE NOS DIZER MAIS DO QUE IMAGINAMOS."

sexta-feira, 5 de novembro de 2010





















Lágrimas que se foram.....Lágrimas que vem

Um carinho inconfudível.
Um amor infinito.

Vem me abraça, e diz que me ama,
Que ainda sou seu bebê.
A perda da inocência de criança.
Me faz ignorante com você.

-"Estou saindo!"
-"Aonde vai meu filho?"

-"Bem ali não vou demorar."
Chego de madrugada.
E você lá.
De olhos esbugalhados nervosa e preocupada.

Trocou seu sorriso pelo meu.
-"Estude filho não seja como eu."

Suas lágrimas são como disparos de calibre 12.
Disparando em minha direção.
Lagrimas que respinga em min como enxofre.
Escorre queimando até no coração.

Me deu todo seu amor.
E ah retribui em dor.
Você se foi e apenas agora enxergo seu valor.

Os ferimentos em min que você curava.
Não de compara.
Ao que ficou cravado em minha alma.

Você será minha eterna gladiadora.
Que lutou  de rodo e vasoura.

Se eu pudesse voltar no tempo

Não faria bagunça estourando champagne.
Apenas lhe abraçaria e lhe pediria desculpas, agradeceria e diria TE AMO MÃE.



                                                                         Fredy letra















"PASSAMOS A ENXERGAR AS COISAS A PARTIR DO MOMENTO EM QUE FICAMOS CEGOS."

quarta-feira, 3 de novembro de 2010
















Versículo Apocalipse

Caias de joelho e de boca aberta.
A besta demoníaca explicita na sua tela.

A úlcera maligna.
Laçou suas córneas e sua retina.

Ferindo o espírito imbecil.
Jorrando sangue formando rio.

Transbordando para dentro de si.
Seu refugio marítimo.
Tornou-se a segunda e terceira taça do apocalipse.
Escrita por cristo.

O fogo que o carboniza.
Lhe faz sentir a dor que proporcionou um dia.

Espírito imundo.
Que durante toda uma vida se fez de cego e surdo.

Tudo se ilumina na luz dos relâmpagos.
Egos de trovões.
Placas tectônicas se movimentando.
Propagando as destruições.

Enquanto não vem as pedras do auto.
As daqui debaixo.
Proporciona o estrago.

A poesia não es bela.
Pois ela é narrada.
De um cronista daqui da terra.
Baseado em palavras.
Que dimensiona o que aconteces.
Da escrita sagrada.
Do escritor mestre.



                                   Fredy letras

terça-feira, 2 de novembro de 2010

sexta-feira, 29 de outubro de 2010
















Saudação á saudade

Tudo se foi deixou de estar entre-nós.
Ainda espero pelo ego da sua voz.

Está tudo como você deixou no seu quarto com a porta trancada.
Veja é seu blusão que você que tanto gostava.

Seu perfume ainda esta nele.
Olha é seu boné aba reta
Lembro que revesando para usar ele.

Aqui ficou tão vazio.
Desde que se foi meu amigo.

Fico com a frase do seu adeus.
Com o abraço que você me deu.

Não achava que era o último.
Se soubesse não teria saído de perto de você,
Ficaríamos juntos.

Todas palavras escritas.
Dói mas do que sua despedida.

Tento não chorar.
Mas porra por que você tinha que nos deixar.

Sinto-me imaturo.
Pois um dia morremos.
Mas ver seu tumulo.
E ver o caixão com você dentro.
...

Ligo aquela musica.
Aquela bem alta.
É aquela minha e sua.
Sabíamos cada pedaço decorado.

Deixa-me eu ir, pois você é como a tinta da minha caneta.
Que quando sinto saudades escrevo com todo meu amor tenha certeza.

Mas não quero que você acabe.
Quero escrever todos os dias matando minha saudades.

Neste momento acabei de te borrar.
Foi uma lagrima que respingou na escrita.
A tinta misturou as lágrimas lhe fez multiplicar.
Cresce minha rima.

Descanse como você sempre quis.
Corra pelos campos com o céu traçado por arco-íris.
Seja feliz.

Sorria, pois isso aqui não possível para você.
Foi preciso morrer.
Para encontrar o "Paraíso" onde não é permitido sofrer.

Agora eu choro escrevendo "Saudação á Saudade".
Mas logo-logo tamo junto mandando aquelas idea ao som de 2pac.




                                                                           Fredy letras















"SORRIA PARA NÃO CHORAR, SORRIA PARA NÃO XINGAR."

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

















Como? ... Infância?

De sorriso sincero e inocente.
Condenadas pela ignorância da gente.

O que deveria ser esperança de vida.
Um menino?
Uma menina?
Ficou junto à agulha de crochê na lata de lixo.

Paz?
Imaginamos está dando.
Achamos não ser nada quando á vemos chorando.

A essência do seu amor.
Dar-lhe sonhos e imensidão.
Em ser doutor.
Jogar na seleção.

Cadê o livro, o caderno o lápis?
Tudo o que vejo é são cachimbos improvisados com crack.

Cresceu sem o pai.
Armazenou revolta.
Para onde ele vai?
Espero que tenha volta.

Sua mãe é tudo.
Que lhe fortalece em ser alguém no mundo.

A sociedade é perversa cheia de ganância.
Tiraram-lhe a força sua infância.

Ah roubaram e fizeram lhe acreditar.
Que para tê-la de volta o caminho era se escravizar.

Não teve tempo de brincar.
Quando foi brincar já era de verdade.
Veio ah engravidar.
Ficou mal vista pela humanidade.

Julgamo-las imaginando que elas estejam erradas.
Mas o problema não é o feto.
É a nossa raça.
Que não ensinou ah elas o que era o certo.

Sabe o que é ter amor de pai e mãe?
Se sim agradeça ao senhor.
Pois não tive o de pai e quando fui sentir o de mãe já estava petrificado meu amor.




                                                                        Fredy letras




















"A ESCRITA QUE PARA VOCÊ É DEPRIMENTE OU REVOLTANTE, PARA OUTROS É O REFUGIO E A INFORMAÇÃO."

domingo, 24 de outubro de 2010





















Semáforo da vida

O sinaleiro.
Tornou-se ponto de comercio para a criança em desespero.
Empreendimento financeiro.
Que gera um lucro mínimo para o seu sustento.

A balinha pode parecer doce.
Sendo chupada dentro do seu carro.
Mas arde e queima como enxofre.
Para quem esta de fora no sol lhe oferecendo em uma bandeja em troca de centavos.

                                     X

O Sinal fecha e ele entra no palco.
O artista malabarista com seu espetáculo.
O vermelho do semáforo.
É como seu holofote que ilumina jogando bolinha para o alto.

Seus telespectadores o aplaudem, prestigia.
Mas não batendo uma mão a outra.
E sim batendo á mão a buzina.
Colocando algumas moedas em sua toca.

                                  X

As cortinas se fecham.
Anoitece.
Alguém acena com a mão.
É uma pedestre.

Sua beleza ilumina a noite.
Seu perfume purifica o ar.
Ataca como um açoite.
Quem ela consegue encantar.

Vista por centenas de olhos mundanos.
Sentida apenas por dois.
Que a fica esperando.
Ela trazer o arroz.

                                X

O sinal abre todos os carros seguem em frente.
Menos eles esperando pelo próximo freguês, telespectador ou cliente.

Este é o semáforo da vida a cada cruzamento.
Não te quero ver no vermelho.

Quero-te sorrindo, vivendo, amando.
Quero-te no amarelo pensando.

E poder tomar a decisão certa e conquistar o que nunca teve.
E poder lhe ver passando pelo sinal verde.



                                                      Fredy letras




















"PODEMOS FAZER A COLOCAÇÃO DE QUE NOSSA VIDA É COMO SE FOSSE NOSSA MÃO, AH FECHAMOS DE TAL MANEIRA QUE FERIU A SI PRÓPRIA."














Quando a boca se cala

A boca se cala.
E o coração grita.
Perde o ego da fala.
Transformando em sangue a saliva.

Língua que tagarelou.
Até se retalhar,
Com suas próprias palavras que citou.
E que veio a se engasgar.

Ouvido que não soube ouvir.
Boca que não soube se conter.
Os dentes tornaram-se espinho.
Cordas vocais que veio a se retorcer.

Lábios blasfêmico.
Com batom de veneno.
Que morreu remoendo-o.

Atrás da parede da solidão.
Com a boca se calando pronunciando palavrão.



                                                 Fredy letras